Passaro com olhos azuis, considerado extinto há 75 anos, reaparece

Um passarinho que cientistas consideravam extinto foi redescoberto graças a um ornitólogo brasileiro, no interior de Minas Gerais.

Desde 1941 – há 75 anos – a Columbina cyanopis, ou rolinha-do-planalto, como é chamada no Brasil, não era avistada na natureza. Só podia ser apreciada em museus. Mas ornitólogo Rafael Bessa foi ao interior mineiro para fazer um estudo de licenciamento ambiental e viu o pássaro.

O pesquisador pegou um atalho no caminho entre seu hotel e o local onde realizaria seu trabalho e na rota parou para apreciar e fotografar a vista. Foi quando ouviu sons de um animal que não reconheceu.

Bessa voltou ao local no dia seguinte para registrar o canto do animal e, ao reproduzir a gravação, atraiu em sua direção um pássaro, que pousou em um arbusto, a alguns metros de distância.

“Olhei pelo binóculo, e minhas pernas começaram a tremer. Sabia que tinha um verdadeiro fantasma na minha frente. Foi um momento de muita emoção, indescritível. Estava muito feliz e nervoso ao mesmo tempo”, diz Bessa.

“Só pensava em documentar e aproveitar o momento. Até então, não sabíamos absolutamente nada sobre a espécie, e aqueles poucos minutos de observação poderiam significar muito para a conservação da rolinha.”

Bessa explica que a rolinha-do-planalto sempre foi considerada uma espécie rara e dificilmente era avistada mesmo quando seu habitat, o cerrado brasileiro, ainda era bastante preservado, até meados da década de 1950. “Até então, não se entendia o por quê dessa raridade, e o pouco que sabemos hoje não nos permite ter certeza do motivo, mas acreditamos que a espécie ocorre em uma fisionomia de cerrado muito específica e também rara”, diz o ornitólogo.

“Soma-se a isto o fato do cerrado ser um dos ecossistemas brasileiros que mais perdeu área para a agricultura e pecuária nas últimas décadas, fato que certamente contribuiu para sua atual raridade.”

A ave

Desde que o primeiro exemplar foi identificado por Bessa – em 2015 – 12 rolinhas-do-planalto foram ao todo avistadas por pesquisadores, com o apoio da Sociedade para a Conservação das Aves do Brasil (SAVE Brasil), o Observatório de Aves do Instituto Butantan e a ONG Rainforest Trust. A ave possui uma plumagem de coloração predominantemente castanho-avermelhada e é bem menor do que outras rolinhas. A espécie ainda chama atenção por seus olhos azulados e manchas da mesma cor nas asas.

Conservação

Agora, cientistas trabalham para traçar planos de conservação da espécie, o que implica em proteger a área onde foi encontrada, além de compreender suas características e o que necessita para sobreviver. Até que o plano seja concluído, o local onde os espécimes foram achados e seu canto não serão divulgados, para evitar um grande fluxo de observadores de pássaros para a região, o que poderia afugentar o animal. “No momento, sabemos da existência de 12 exemplares, o que é um número muito baixo para garantir a conservação de qualquer espécie. Já realizamos expedições em busca de novas populações, mas até o momento não obtivemos êxito”, afirma Bessa.

Via